SNC

Cromo: uma estratégia para quem é compulsivo por doces

Cromo: uma estratégia para quem é compulsivo por doces

Quem não gosta daquele brigadeiro do aniversário infantil? Ou quem não tem boas lembranças daquele pudim que a vovó fazia todo domingo?
É um fato que boa parte da população gosta de doces. Ingerir esses alimentos com cautela e moderação, através da escolha da quantidade e momento oportuno não trará prejuízos e saúde não trará grandes impactos para os objetivos desejados. Entretanto, é justamente neste ponto que reside um grande problema atual: a compulsividade por doces.
É comum encontrar pessoas, especialmente o publico feminino, que não consegue ficar sem um docinho todo dia, em especial após o almoço. A origem da compulsividade pode ter diversas explicações, como disbiose intestinal, queda de hormônios como a serotonina e a deficiência de micronutrientes.
A compulsividade por doces pode indicar uma resistência a insulina. A insulina é o hormônio responsável por captar a glicose para dentro da célula quando se liga ao receptor celular, translocando o transportador de glicose (GLUT-4). Uma vez que a glicose entra na célula, o corpo entende que já possui energia suficiente e dispara uma resposta sacietógena. Quando ocorre a resistência a insulina, este hormônio não consegue dar conta da demanda e a glicose não entra de maneira eficiente nas células, desta forma, o corpo entende que precisa de energia rápida (doces que são ricos em carboidratos simples) e o individuo ingere uma quantidade acima do que necessita.

Dentre os micronutrientes que podem influenciar neste processo, o cromo merece uma atenção especial. Comercialmente encontrado na forma de picolinato de cromo, este mineral tem um interessante papel no metabolismo de carboidratos. De maneira simplificada, o cromo se liga a apocromodulina dentro da célula transformando-a em cromodulina. A cromodulina por sua vez, aumenta a translocação do GLUT-4 para a membrana celular, favorecendo a absorção de glicose para o meio intracelular. Se a insulina se liga ao receptor para aumentar a translocação de GLUT-4 e o cromo exerce um papel semelhante, fica mais fácil desenvolver o raciocínio de que este mineral ‘amplifica’ a ação da insulina.

Por este motivo o cromo é utilizado como alternativa suplementar para redução da vontade de comer doces em dosagens que variam mais comummente entre 100 a 200 mcg. Vale ressaltar que esta é apenas uma das alternativas que podem auxiliar nesta questão e outras estratégias podem ser utilizadas, uma vez que este quadro pode ter múltiplas causas. O nutricionista é o profissional mais capacitado para traçar a melhor estratégia para você.

Este texto foi escrito por Nicolas Riela, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador)”.

Featured Image Featured Image

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *