SNC

Celulite e Nutrição

Celulite e Nutrição

A aparência ondulada e irregular da pele, com aspecto de “casca de laranja”, preferencialmente na região pélvica, membros inferiores e abdome, é uma grande preocupação estética para muitas mulheres. O termo “celulite” tem sido utilizado para descrever a presença dessas pequenas depressões na pele que acomete 80-90% das mulheres após puberdade, também conhecida como Hidrolipodistrofia Ginoide, Paniculopatia edemato fibro esclerótica, Paniculose, Lipoesclerose Nodular.

A etiologia da celulite é multifatorial, uma variedade de causas parece contribuir para seu desenvolvimento, incluindo fatores genéticos, emocionais, circulatórios, hormonais, inflamatórios, idade, sexo, hipertensão arterial, obesidade, hábitos como má alimentação, sedentarismo, fumo, roupas apertadas, entre outros. Esse aspecto de “casca de laranja” dá-se pela alteração do tecido adiposo em decorrência da má circulação veno-linfática (edema), acúmulo de gordura e redução da elasticidade das fibras da matriz extracelular.

É bem provável que os hormônios femininos, estrogênio e progesterona, desempenhem papel fundamental em sua etiopatogenia. Alguns estudos discutem que o estrógeno estimula a perda da elasticidade das fibras colágenas; na microcirculação, aumenta a permeabilidade e diminui o tônus vascular, facilitando o edema e diminuindo o fluxo sanguíneo; estimula a lipogênese (acúmulo de gordura no adipócito) e resistência lipolítica (ineficácia na queima de gordura). Além disso, a retenção de líquido pode ser decorrente de uma falta relativa da progesterona e maior produção de hormônio antidiurético (HAD) pela glândula pituitária posterior. O período pré-menstrual tem relação no agravamento do quadro da celulite. Nessa fase, comumente ocorre retenção de água e ganho de peso.

A distribuição de celulite na mulher ocorre em regiões específicas e segue o mesmo padrão de maior depósito de tecido adiposo. O fator hormonal merece atenção neste sentido. Na arquitetura da pele da mulher há septo fibroso fino, com projeção perpendicular, enquanto que, no homem, existe um septo mais grosso, com projeção oblíqua. Estas características histológicas parecem favorecer o sentido de expansão do tecido gorduroso, quando aumentado, em direção à profundidade no homem e, para a superfície, na mulher, que com a retração da pele através dos septos fibrosos subcutâneos e as projeções de gordura subcutânea, é mais facilmente visualizado no sexo feminino. Apesar de a celulite ser encontrada em qualquer área em que o tecido adiposo em excesso é depositado, a obesidade não é condição necessária para sua existência.

A celulite é classificada em graus, o grau I só é observado com a compressão do tecido e não há alterações de sensibilidade; no grau II se visualiza depressões mesmo sem a compressão do tecido; no grau III ocorre presença de nódulo de gordura e pode ser observado com o paciente em qualquer posição, apresenta diminuição da temperatura no local e dor; e no grau IV se observam as mesmas características do grau III, porém, mais agravadas, com alterações circulatórias como microvarizes e varizes.

Certos hábitos alimentares influenciam no desenvolvimento da celulite: consumo de álcool, dietas ricas em açúcar e a gordura estimulam a lipogênese; o gás carbônico (CO2) dissolvido na água formando o ácido carbônico nas bebidas gaseificadas (como refrigerantes), quando consumido em excesso provoca a acidificação dos tecidos da derme e hipoderme, cujo pH é, em geral, levemente alcalino. A alteração do pH provoca o endurecimento das fibras protéicas (colágeno e elastina) com diminuição da elasticidade da pele; o excessivo consumo de sal agravam o quadro microcirculatório com aumento da resistência capilar e retenção hídrica; a deficiência de proteínas resulta em desestruturação do tecido conjuntivo e;a baixa ingestão de água e fibras dificulta o funcionamento intestinal, causando a estase venosa (diminuição da velocidade da circulação) por comprimir as veias ilíacas. Além disso, a falta de exercício físico agrava as alterações vasculares e dificulta a perda de peso.

No tratamento da celulite, fitoterápicos e outros nutrientes, administrados tanto via oral quanto tópico, tem funcionalidade na ativação circulatória, drenagem linfática, reorganização da matriz extracelular, bem como na ativação da lipólise.  Estudos que investigam o uso de suplementação têm demonstrado eficácia de produtos que atuam no controle do peso, como chá verde, cafeína, capsaicina, teobromina, teofilina e cálcio no tratamento da celulite. O retinol (vitamina A) atua como um antiadipogênico por inibir a diferenciação dos pré-adipócitos. O silício atua na reorganização matriz extracelular e do colágeno. O ginko biloba aumenta a resistência dos capilares, diminui a permeabilidade vascular, aumenta a tonicidade dos vasos e também tem ação anti-radical livre. A centelha asiática normaliza o tecido conjuntivo e seus derivados, acelera a integração e o metabolismo de lisina e prolina fundamentais na estrutura do colágeno e também tem flavonoides cujo efeito na microcirculação reduz edemas.  A suplementação de peptídeos do colágeno e vitamina C pode ser utilizada para estimular a biossíntese de colágeno e outras moléculas da matriz extracelular. Fitoterápicos com propriedades diuréticas como hibisco e cavalinha, por exemplo, diminui a retenção hídrica. Outros nutrientes também são utilizados no tratamento da celulite, como Coenzima Q10, ácidos graxos essenciais, selênio, cobre, magnésio, vitamina E. Além disso, estudos mostram resultados positivos para dieta com alto teor de proteínas e reduzida quantidade de carboidrato simples e o predomínio de carboidratos complexos como alternativa interessante no controle de celulite. Dessa forma, sugere-se buscar por um profissional nutricionista para a obtenção de melhores resultados no tratamento de celulite, concomitante à prática de exercício físico orientado por um profissional da área.

Este texto foi escrito por Maiara Guimarães, integrante da equipe de Nutrição da SNC-Salvador, baseado em artigos científicos. Todo material utilizado pode ser disponibilizado quando requerido. Se você ficou com alguma dúvida entre em contato conosco pelo e-mail: nutricao@sncsalvador.com.br. Respeite nosso material intelectual. Sempre que usar nossos textos mencione o nome do autor e do site, por favor. Acompanhe-nos nas redes sociais e não perca nenhuma notícia e/ou promoção (busque por sncsalvador).

Featured Image Featured Image

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *